Morro de São Paulo BLOG

A.P.A de Tinharé e Boipeba

A.P.A  de Tinharé e Boipeba – DECRETO 1.240  MUNICÍPIO DE CAIRU – BA

Para conter a devastação acelerada e controlar os seus impactos na natureza, o Governo da Bahia vem criando novas Áreas de Proteção Ambiental (APA’s), que são protegidas por lei. Atualmente, existem 32 APA’s na Bahia, locais que revelam diferentes ecossistemas, histórias e culturas dos seus habitantes.

As Áreas de Proteção Ambiental nos Estados do Brasil (APAs) são áreas geralmente extensas, com um considerado grau de ocupação humana, dotadas de atributos abióticos, bióticos, paisagístico, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas que habitam ou venham habitar a região e tem como objetivos básicos proteger e preservar a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e uso do solo e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais disponíveis. (SNUC – Lei 9.985/2000).

Apa do arquipélago Tinharé Boipeba

Apa do arquipélago Tinharé Boipeba

1. Apresentação

A magnífica Área de Proteção Ambiental – A.P.A  das Ilhas de Tinharé e Boipeba, teve sua criação determinada com o Decreto Estadual n°. 1.240, de 05/06/1992, está ao litoral sul do Estado da Bahia entre as localidades da Ponta do Curral, litoral do Município de Valença e a Península de Maraú na região do Município de Camamu na Costa do Dendê.

A  APA está no Município de Cairu, cujo é o Arquipélago de Tinharé e conta de 26 ilhas, Tinharé, Boipeba e Cairu, esta ultima, sede do município e não está inclusa na APA (o que é uma grande perda para a região) e além destas há outra vinte e três ilhas de pequeno porte, dentre elas, às de “ aninhamentos de animais (aves, repteis, crustáceos e alevinos) denominadas de Ilha do Rato, da Aranha, São Gonçalo, do Papagaio, do Meio, das Três Matinhas, de Manguinhos, ambas na parte oposta ao Atlântico onde se encontra a maior parte do manguezal. Há ainda às ilhas calcarias/corais onde peixes e frutos do mar vão se aninhar, estão locadas na costa Atlântica das Ilhas de Boipeba e Tinharé, são as Ilhas do Caitá e a ex-Ilha da Saudade no Distrito de Morro de São Paulo que outrora não muito distante fora um pequeno bioma; hoje não existe mais devido a depredação.

A área total da APA dita de 43.300ha e a razão de sua criação foi a constatação da presença de ecossistemas de grande interesse ambiental, com um extenso manguezal de três espécies, belas praias desertas, além de um litoral recortado com morros, barras e recifes de corais; no interior de ambas Tinharé e Boipeba, há a presença de vegetação primária e secundária da Mata Atlântica, campinas, riachos e nascentes.

Um dos principais motivos que favoreceu a criação da APA de Tinharé e Boipeba foi o crescente do movimento turístico na região. Isto foi observado em 1985 e em 1990 já era bem visível o futuro da região do atual pólo turístico do Morro de São Paulo. Neste período que o Jovem Pedro Rocha, veranista deste paraíso e funcionário do Estado na área ambiental e como ambientalista que era, foi quem primeiro identificou a necessidade da APA e tomou as primeiras iniciativas. (Pedro Rocha faleceu em 1996, no Caribe, quando praticava mergulho contemplativo).

2. Características gerais.

Toda a região apresenta um riquíssimo sistema estuário, com extensos manguezais de grande potencial pesqueiro devido a sua diversidade de três espécies. Essa formação é comum para as regiões do Caribe e Pacífico, sendo o estudo agora desenvolvido nesta região a partir do Morro de São Paulo; é a primeira descrição de tal sistema para o Brasil. Associado à importantes tipos remanescentes da Mata atlântica, pequenos riachos e rios navegáveis, formando um belo complexo que abriga muitas espécies da fauna e  flora da região.

Locais como o pólo turístico do Morro de São Paulo, Vila de Gamboa do Morro e Vila de Garapuá na Ilha de Tinharé e na Ilha de Boipeba a Vila de Velha Boipeba, Povoado de Moreré e o Povoado de Cova da Onça, sofrem hoje com a grande demanda turística, por estarem em áreas de fácil acesso fluvial. Devido ao crescimento populacional probatório, essa fora a maior preocupação em corrigir os problemas como o saneamento e o ordenamento do solo, está ligado diretamente à elevada fragilidade ambiental do local. As paradisíacas praias e piscinas natura, o patrimônio histórico e paisagístico, são as grandes atrações turística da região.

3. Aspectos bióticos.

3.1 – A Flora

O manguezal ocupa uma vasta distribuição geográfica no local, apresentando plantas de portes arbustivos e arbóreos { mangues = vermelho ( tem a raiz  tipo escora em forma de dedos )  – branco ( a base da haste da  folha é vermelha , chamada  de Pecíolo ) e o preto (casca mais escura, folha verde claro e arredondada) ou Siriba / siriuba / siribinha. Um exemplo peculiar das espécies encontradas nesse tipo de ecossistema é o Algodão-do-mangue (Hibiscus pernambucensis). A extensa área de restinga em particular, apresenta espécies com grande capacidade de sobrevivência, pois o solo onde se encontram é muito pobre em nutriente. As vegetações de Áreas Úmidas, das Dunas, de Várzeas, Brejos e Mata Ciliar, também constituem o tipo florístico da região. Outro exemplo é a Mata Ombrófila Densa, que se mantém sempre verde e têm grande participação na umidade do ar de toda a região, diversas espécies como o Pau-d’arco (Tabebuia sp.), a Maçaranduba ( Manilkara amazônica ), o Olandir (Calophyllum brasiliense), a Sucupira (Bowdichia virgilioides)  e a Jataipeba ( Dialium guianense ) esta ultima bastante cobiçada na região; além de outras que inadequadamente apresenta valor econômico no local.

3.2 – A Fauna.

A avifauna, é dentre os indivíduos da macrofauna encontradas nos habitats observados, a mais representativa, pelo número de espécies e o número de indivíduos, inclusive a presença de espécies em vias de extinção, como é o caso do Curió (Oryzoborus angolensis) e o Cubango (Icteridae haemorrhous), pássaros de pequeno porte que são muito explorados pelo homem, por possuir canto especial e muito atraente aos ouvidos, além do falcão (Milvago chinachina), e ainda o jacaré de papo amarelo (Calmam latirostris). Fazem-se também presente muitas espécies de répteis, mamíferos e insetos, além de peixes, outros frutos do mar e de diversos tipos de invertebrados como os crustáceos dos mangues e de do mar, que ainda compões a economia local.

4. Comunidades.

A APA Ilhas de Tinharé/Boipeba compreende as duas maiores ilhas (Tinharé e Boipeba). Os distritos que compõe as ilhas são: Morro de São Paulo, Garapuá, Canavieiras, Galeão e Gamboa do Morro, ambos em Tinharé. Em Boipeba, Velha Boipeba, Moreré, São Sebastião (Cova da Onça), Monte Alegre.

A renda da população local é fundamentada no turismo e na pesca de peixes e camarão, além da mariscagem, da cultura do coco, da piaçava e do dendê. Algumas famílias ainda vivem da agricultura de subsistência.

5. Conflitos ambientais.

Um dos problemas mais sério enfrentado na APA é a falta de saneamento, com o crescimento do turismo vem aumentando a necessidade de grandes reformas. As conseqüências da falta de saneamento são o comprometimento dos recursos hídricos locais afetando o único lençol freático contido, assim como alterações em espécies de animais e plantas. Além de lançamento de esgotos domésticos, a alteração das margens dos rios e estuários, que prejudicam o ecossistema existente; isto devido ao excesso de embarcações tidas com rápidas que praticam o turismo fluvial. Vários desses problemas estão caracterizados como crime ambiental. Em Morro de São Paulo, o problema de Hidro-sanitário já fora sanado devido à implantação do sistema desenvolvido pela EMBASA em 1998.

6. Zoneamento.

A partir das características dos meios físicos, bióticos e antrópicos, o zoneamento foi dividido em quatro categorias distintas.

01) – A Categoria Preservação:  Engloba a Zona de Proteção Rigorosa – ZPR e ZPVS: Zona de Proteção da Vida Silvestre é um tipo de categoria onde são mínimas as interferências humanas.

02) – A Categoria Conservação:  Engloba a Zona de Manejo Especial: ZME, Zona de Orla Marítima: ZOM, Zona de Proteção Visual: ZPV, Zona de Proteção Visual Especial: ZPV (E), Zona de Ocupação Rarefeita: ZOR, Zona de Urbanização Restrita: ZUR, Zona Extrativa Vegetal: ZEV e Zona Extrativa Animal: ZEA, essas zonas de conservação apresentam alguma influência antrópica sendo que cada uma apresenta seus próprios usos e recomendações.

03) – A Categoria Uso:  Engloba a Zona Turística: ZT, a Zona Turística Especial: ZT(E), a Zona de Urbanização Controlada: ZUC, Zona de Expansão   ( I ): ZEP(I), Zona de Expansão (II): ZEP (II) e a Zona Agrícola: ZAG, essas são zonas destinadas ao desenvolvimento econômico do local, mas cada uma com o tipo de uso permitido.

04) – A Categoria Recuperação: Apresentando a Zona de Recuperação Ambiental: ZRA, destinada exclusivamente à recuperação de área degradada.

Nota: Para que estejam de acordo com a Lei, evitando crimes ambientais, é importante para o empreendedor, pesquisador ou entidades ligadas ao turismo, que desejam desenvolver trabalhos ou empreendimentos nesta APA,  estarem cientes da existência dessas normas.

RELAÇÃO DAS 32  APAs DO TERRITÓRIO BAIANO:

Bacia do Cobre/São Bartolomeu – Bacia do Rio de Janeiro – Baía de Camamu – Baía de Guaibim – Baía de Marimbus/Iraquara – Baía de Todos os Santos – Caminhos Ecológicos da Boa Esperança – Caraíva/Trancoso – Coroa Vermelha – Costa de Itacaré/Serra Grande – Dunas e Veredas do Baixo/Médio São Francisco – Gruta dos Brejões/Veredas do Romão Gramacho – lhas de Tinharé e Boipeba – Joanes/Ipitanga – Lago de Pedra do Cavalo – Lago do Sobradinho – Lagoa de Itaparica – Lagoa Encantada e Rio Almada – Lagoas de Guarajuba – Lagoas e Dunas do Abaeté – Litoral Norte – Mangue Seco – Plataforma – Continental do Litoral Norte – Ponta da Baleia/Abrolhos – Pratigi – Rio Capivara – Rio Preto – Santo Antônio – São Desidério – Serra Branca/Raso da Catarina – Serra do Barbado – Serra do Ouro

Fontes –  SEMARH / DUC e CRA (IMA)

16 – Adaptação do Texto – Alberto Santana – IBAMA

Pôr do sol de Morro de São Paulo

No final da tarde depois de curtir as praias de Morro de São Paulo a dica é se maravilhar com o cenário deslumbrante do pôr do sol da ilha. O pôr do sol já é um espetáculo à parte em qualquer lugar do mundo pela beleza que representa, porém, quando visto num local lindo como Morro de São Paulo fica ainda mais especial.  Basicamente existem três lugares onde se pode apreciar o pôr do Sol em Morro de São Paulo: no Forte, na pousada Passárgada e na Toca do Morcego. De qualquer um destes lugares se vê um cenário maravilhoso do sol caindo atrás do mar azul e com nuances de cores lindas no céu.

Pôr do sol no Morro

Pôr do sol no Morro

No Forte de Morro de São Paulo, a chamada Fortaleza de Tapirandu, o acesso está temporariamente fechado, devido às obras de restauração que estão feitas no local. Mas antes disso o Forte sempre foi o point do pôr do sol em Morro de São Paulo e após o término das obras, com certeza o Forte voltará a receber os turistas para o momento mágico do pôr do sol. Pelas ruínas da antiga fortaleza turistas e moradores se espalhavam para contemplar o final da tarde. E às vezes, o cenário ficava ainda amais lindo com a presença de golfinhos que se exibiam com suas piruetas.

Pôr do sol no Morro de São Paulo

Pôr do sol no Morro de São Paulo

Outras dicas para visitar na hora do pôr do sol em Morro de São Paulo também estão bem próximos do Forte: são a pousada Passárgada e o lounge bar Toca do Morcego, ambos localizados na Rua Caminho do Farol.

Na Pousada Passárgada o final da tarde vem acompanhado com trilha sonora da música “Bolero de Ravel”, que é tocada tradicionalmente há anos na hora do pôr do sol. No amplo deck de madeira ficam as mesas do restaurante que serve um verdadeiro pãozinho de queijo mineiro e para acompanhar há café, suco e outras bebidas. A visão da chegada da ilha é maravilhosa e perfeita para tirar belas fotos de recordação. Para embelezar ainda mais o visual, embaixo do deck há uma linda piscina com borda infinita. Quem está hospedado na pousada pode usufruir da piscina apreciando o pôr do sol.
Já na Toca do Morcego, o cenário é bem mais descontraído e o local oferece uma visão do pôr do sol de Morro de são Paulo digno de capa de revista. Além de ter uma vista privilegiada do mar da ilha (chegada) a Toca do Morcego tem espaço para relaxar com esteiras espalhadas pelo chão, almofadas e puffs. Para degustar há diversas opções de sucos, bebidas alcoólicas e petiscos. E para completar há música eletrônica e som ao vivo. A Toca fica superlotada de turistas para admirar o pôr do sol e mesmo depois que o sol se despede a galera permanece no local, desfrutando do espaço e curtindo o excelente repertório da cantora da casa, a mineira Inaté.

Vista da Toca do Morcego

Vista da Toca do Morcego

Se estiver em Morro de São Paulo não deixe de ver o pôr do sol de um destes lugares e comprove como o final de tarde de Morro de São Paulo é um dos mais belos visto poucas vezes em outros lugares do mundo.

Veja também: 10 coisas a fazer em Morro de São Paulo

Vila de Morro de São Paulo

Além das belas praias e dos pontos turísticos, como os monumentos históricos, Morro de São Paulo possui outro grande atrativo: a vila.  Trata-se da parte central do povoado que inclui basicamente a Praça Aureliano Lima e a Rua Caminho da Praia e é conhecida popularmente na ilha como vila.

Vila de Morro de Sao Paulo

Vila de Morro de Sao Paulo

A vila do Morro de São Paulo é emoldurada pelo comércio em geral como restaurantes, pousadas, lojas, sorveteria e farmácia. No centro disso tudo está a Praça Aureliano Lima, cercada de árvores centenárias e algumas casas antigas, como o Casarão, um dos monumentos históricos de Morro de São Paulo. A vila é o caldeirão da ilha. De dia ou a noite tem um animado vai e vem de turistas e moradores que sobem e descem a Rua Caminho da Praia em direção às praias de Morro de São Paulo. Da vila até a Primeira Praia são apenas cinco minutos de caminhada. A vila é, também, o ponto de chegada para quem chega a Morro de São Paulo pelo cais, via marítima. Logo após a rampa está a Igreja Nossa senhora da Luz e em seguida desponta a praça e a vila.

Ao entardecer, no coração da vila outro cenário é montado na vila: a Feirinha de Artesanato, que acontece diariamente na praça e ajuda a vila ficar mais encantadora Várias barraquinhas são espalhadas ao redor da praça e vendem artigos variados de artesanato.
As luzes dos restaurantes e pousadas com a iluminação da feira formam um dos cartões postais de Morro de São Paulo e que não pode deixar de ser conferido.

Nos restaurantes localizados ao redor da Praça Aureliano Lima come-se uma deliciosa comida caseira ou pratos sofisticados. A vila de Morro de São Paulo conta com uma ótima estrutura de alimentação com uma gastronomia diversificada. A maioria dos restaurantes abre para o jantar e a vila só começa a ficar agitada no fim de tarde. Existem restaurantes especializados na cozinha italiana, mediterrânea, japonesa e ainda a culinária típica baiana. Quem preferir também pode saborear um café acompanhado de um bolo, num Café que fica em frente à praça ou se refrescar com um sorvete.

Caminhar pela vila, seja de dia ou à noite, é uma das dicas imprescindíveis em Morro de São Paulo. A vila é o coração da ilha, o lugar onde tudo acontece e um ótimo local para você ficar por dentro de tudo que rola em Morro de São Paulo.

Carnaval de Salvador

O Carnaval de Salvador está entre as maiores festas populares do país e é considerado um dos maiores carnavais do mundo. A dimensão e a quantidade de pessoas que participam da festa impressionam. Quem já uma única vez pulou um Carnaval em Salvador, sabe o que estamos falando. Turistas de diversas partes do Brasil e de outros países veem para a capital baiana passar os dias de folia. Em Salvador, o Carnaval tem duração oficial de uma semana, mas três meses antes do inicio dos desfiles dos trios, os blocos e principais grupos carnavalescos já estão em ritmo de carnaval, durante os ensaios de verão. Se você já tem passaporte para os dias de folia em Salvador ou está pensando em viajar para esta que é uma das maiores festas do planeta, comece a entender um pouco mais sobre como funciona.

O Carnaval em Salvador tem três circuitos oficiais: Batatinha (Centro Histórico), Dodô (Barra e Ondina) e o Osmar (Campo Grande e Castro Alves). Os blocos com seus trios elétricos dividem-se entre estes circuitos e desfilam diariamente, dia e noite, puxando os milhares de foliões. Cada bloco tem seu trio elétrico (gigantescos carros de som) com cantores, banda, dançarinos e sua marca registrada que é representada através dos “abadás” (as camisetas que representam os blocos). O folião que paga pelo abadá, sai atrás do trio elétrico do bloco dentro da “corda” (que marca o limite dos foliões que vestem o abadá). Quem não paga pelo abadá e quer acompanhar o desfile de seu bloco preferido, sai na “pipoca”, ou seja, onde ficam as pessoas que estão sem o abadá. A corda é puxada pelos “cordeiros”, homens e mulheres que controlam e protegem quem está pulando dentro da corda. Parece difícil de gravar tantas expressões diferentes e típicas, mas é bastante simples: basta saber que você sairá atrás do trio elétrico puxado pelo bloco, o qual você comprou seu abadá.
Os maiores e mais conhecidos blocos do Carnaval de Salvador são o Camaleão, do grupo Chiclete Com Banana; Cerveja e Cia, da cantora Ivete Zangalo; Coruja, de Claúdia Leite; o Crocodilo de Daniela Mercury, Os Mascarados de Margareth Menezes entre outros. Além destes blocos existem outros tão populares e famosos devido à tradição no Carnaval de Salvador como o dos Filhos de Gandhi, o Olodum e o Ilê Aiyê Quem não quiser ficar no meio da bagunça e da folia, pode ainda ficar em lugares mais reservados, que são os camarotes. Estruturas montadas em hotéis de Salvador e que ficam ao longo de todos os circuitos e concentram serviços completos como comida e bebida à vontade, discotecas, espaços para relaxar e até mesmo salões de beleza.
Alguns turistas se preparam o ano todo para viajar para o carnaval baiano e chegam a desfilar em cinco blocos durante os sete dias de folia. Dia e noite pulando atrás dos trios elétricos requer muita preparação física e ainda algumas precauções: beba muita água durante a folia, use sapatos confortáveis como tênis, bonés e óculos para se proteger do sol e ainda leve para os desfiles sempre o mínimo de dinheiro, um documento e um papel com o endereço do hotel, onde está hospedado, afinal cuidados como estes nunca são demais. O resto é aproveitar toda a alegria e descontração da maior festa popular do planeta, que é o Carnaval de Salvador!

As chuvas do Verão em Morro de São Paulo

Verão é o período em que o astro rei, o sol, reina absoluto. Pelo menos sempre foi esta a característica predominante nas praias da Bahia. Em Morro de São Paulo nunca foi diferente e no verão (dezembro a março) o sol sempre aqueceu as praias e garantiu a diversão dos turistas que visitam a ilha na alta temporada. Mas em janeiro deste ano, o clima que está cada vez tendo mais influência das mudanças ocorridas no planeta, nos pregou uma peça.

Mesmo sem estarmos baseados em cálculos meteorológicos ou estatísticas, pode-se dizer que em seis anos nunca choveu tanto no mês de janeiro em Morro de São Paulo como neste ano. A partir da segunda semana de janeiro até o fim do mês choveu praticamente todos os dias na ilha. Os períodos de chuva alternavam-se entre os turnos da manhã e pela madrugada. São as chuvas de verão e como dizem os nativos antigos, é “aquela chuva que cai torrencialmente e logo passa”. Ainda não temos notícias do real motivo porque choveu a mais do que no normal em Morro de São Paulo. Por um lado se esta incidência forte de chuva que ocorreu em Morro de São Paulo no mês de janeiro de 2011 não foi causada por nenhum fenômeno meteorológico, pode-se dizer que serve para comprovar que em todos os lugares, de norte a sul do país e em cada canto do mundo, cada vez mais o clima está reagindo às transformações causadas pela destruição do planeta. E nem os paraísos, onde a natureza ainda está intocada escapam destas tristes estatísticas.

Mas apesar da chuva que teve em janeiro em Morro de São Paulo não houve registros de acidentes e moradores e turistas da ilha continuaram com suas vidas normais. As praias lindas e sempre bem freqüentadas. E mesmo sem a presença constate do sol em certas horas do dia, há de se agradecer muito os momentos em que choveu, pois serviram para refrescar e molhar as plantas e a vegetação que nesta época sofre muito com o calor forte do sol. Afinal, uns dias com chuva em Morro de São Paulo não é ruim. Com ou sem o sol, sempre há o que fazer na ilha e pode-se do mesmo jeito aproveitar todas as suas belezas naturais. E ao que tudo indica, com ou sem fenômeno meteorológico, parece que a chuva foi embora, pois há dias que não chove com a mesma intensidade e o sol, nosso astro rei, voltou a brilhar absoluto!

Iemanjá é festejada pela primeira vez com duas grandes festas em Morro de São Paulo

Pela primeira vez em Morro de São Paulo, Iemanjá foi duplamente homenageada com duas grandes festas: a que todo ano é realizada pelo pai de santo “Beto” e pela primeira vez na ilha foi promovido pela Prefeitura de Cairu, o “Encontro das Águas”. Os turistas que estavam em Morro de São Paulo neste dia 02 de fevereiro tiveram a oportunidade de conferir e participar das homenagens à Iemanjá. As comemorações para a rainha das águas tiveram início na segunda-feira dia 31 de janeiro com atividades na Praça da Amendoeira e na vila de Morro de São Paulo.

No dia 01 de fevereiro, aconteceu a abertura oficial do evento “Encontro das Águas” promovido pela comunidade local e apoio da Prefeitura de Cairu, através das secretarias de Turismo e de Desenvolvimento Sustentável. Na oportunidade foi celebrado o “Xirê” (ritual de candomblé com músicas aos orixás) e um cortejo que saiu da Praça Aureliano Lima com destino á Lagoa levou as oferendas às iabás (orixás femininos). Antes da saída da oferenda, autoridades, pais de santo e público em geral se concentraram na vila de Morro de São Paulo.  Na ocasião o grupo Quilombola se apresentou com sua roda de capoeira e houve queima de fogos.
No grande dia de homenagens a Iemanjá, dia 02 de fevereiro (quarta-feira), as comemorações do “Encontro da Águas” prosseguiram na Segunda Praia e após um cortejo percorreu a vila até o cais para a procissão marítima e entrega dos presentes.

A procissão de Iemanjá na Ponte de Morro de São Paulo

Foto: Giovanna Perazzo

Paralela a programação organizada pela Prefeitura de Cairu, houve a já tradicional festa de Iemanjá promovida há mais de 15 anos pelo Pai de Santo” Beto”,  cuja concentração acontece fielmente na Rua da Prainha, em frente à Pousada Farol do Morro na Primeira Praia e termina com a entrega dos presentes à Iemanjá. Após as procissões marítimas, a festa continuou animando turistas e moradores até a noite, na vila de Morro de São Paulo com apresentações culturais. O evento “Encontro das Águas” teve a participação de cerca de 30 baianas e das ialorixás Mariah Qsi de Oxun e Tomázia e do babalorixá Jean.

O charme da Segunda Praia de Morro de São Paulo

A Segunda Praia de Morro de São Paulo, a praia que sempre foi a mais visitada e badalada da ilha tem agora um motivo para ficar ainda mais atrativa. Além da combinação sol, mar, festas e gente bonita, a Segunda Praia possui desde o final de 2010 uma passarela de madeira que atravessa a praia. Com a passarela, a Segunda Praia, que sempre ocupou lugar de destaque e foi considerada a praia mais famosa de Morro de São Paulo, ficou ainda mais charmosa. De dia ou à noite, moradores e turistas circulam pela beira da praia ou através da passarela, para curtir as atrações da Segunda Praia.

Passarela na Segunda Praia de Morro de São Paulo

Foto: GIOVANNA PERAZZO

No passado a Segunda Praia era chamada de “Poço da Praia” e desde o começo da descoberta turística em Morro de São Paulo foi o cenário para as festas mais badaladas da ilha. Foi na Segunda Praia que existiram as casas noturnas mais famosas e freqüentadas de Morro de São Paulo como a barraca Escorregue no Reggae, o Caitá e o Bar 87. A Segunda Praia ainda mantém a fama de praia mais festeira, com os luaus que acontecem nas segundas e quintas-feiras e ainda com as festas da Ponta da Ilha e do recém inaugurado Six Club.

Mas não é somente a noite que atrai os turistas para a Segunda Praia. Com cerca de 380 metros de extensão, a praia tem um visual belíssimo com águas azuis, mornas, quase sem ondas e com uma larga faixa de areia, que serve de palco para a prática de vários esportes. Na Segunda Praia são praticados esportes como o vôlei, futevôlei, futebol, frescobol e no mar o kite surf.  A praia é muito freqüentada por todos os turistas que visitam Morro de São Paulo, por contar com uma excelente estrutura com pousadas e hotéis, restaurantes e barracas de praia.

Nos restaurantes, que ficam situados de frente para a passarela, encontram-se cardápios variados especializados em comidas internacionais como a italiana (com pizzas e massas), cozinha brasileira como a capixaba e claro, que não poderia ficar de fora a apimentada culinária baiana com diversos pratos a base de frutos do mar. As barracas que ficam localizadas no final da Segunda Praia servem ainda lanches rápidos como sanduíches, pastéis, açaí e sorvetes. À noite “grudadas” na passarela são montadas as barracas de caipifrutas, onde os nativos preparam drinques com frutas típicas. A Segunda Praia é também endereço de ótimas pousadas de Morro de São Paulo. Com o pé na areia, existem opções de pousadas como a Villa das Pedras e a Pousada da Torre, que contam com excelentes estruturas, inclusive, piscinas de frente para o mar.

A Pousada da Torre na Segunda Praia de Morro de São Paulo

Foto: GIOVANNA PERAZZO

Para completar o visual encantador da Segunda Praia, do lado esquerdo no fim da praia, está a Ilha da Saudade. Figura imponente na praia, a Ilha da Saudade é cercada de vegetação nativa, pedras e coqueiros. Com uma iluminação nova que ganhou no final de 2010, a ilha chama a atenção dos turistas que a visitam para fotografá-la.

Desenvolvimento turístico em Morro de São Paulo

Morro de São Paulo é uma das praias mais visitadas na Bahia e um dos destinos turísticos mais procurados no Brasil. Turistas de todas as partes do mundo veem prestigiar os encantos naturais da ilha. Um local conhecido mundialmente e que impressiona pela fama que adquiriu em tão pouco tempo. Em quatro décadas Morro de São Paulo deixou de ser um simples vilarejo de pescadores para tornar-se um lugar disputadíssimo por turistas de todos os cantos do mundo.

O desenvolvimento do turismo na ilha fez com que o povoado passasse por várias transformações e se antigamente os nativos da ilha emprestavam suas casas para os veranistas, hoje Morro de São Paulo possui mais de 200 meios de hospedagem, entre pousadas e hotéis. Morro de São Paulo conta com uma excelente estrutura turística com restaurantes, lojas, supermercados, farmácias e outras facilidades que atendem muito bem a demanda.

O turismo passou a se desenvolver em Morro de São Paulo a partir da década de 80. De lá para cá a Ilha  tem vivido quase exclusivamente do turismo e o setor tem crescido bastante e trazido novos proveitos financeiros à ilha , despertando a atenção de turistas e de investidores nacionais e estrangeiros. Morro de São Paulo passou a ser um dos destinos mais cobiçados da Bahia e novos empreendimentos como hotéis, pousadas e restaurantes a cada temporada surgem e comprovam o processo de crescimento pelo qual Morro de São Paulo passou nas últimas décadas.

Além do surgimento de novos negócios tem se notado o forte investimento dos órgãos públicos na ilha. Um exemplo é o projeto de requalificação urbana do arquipélago de Tinharé que está adequando todas as ilhas para melhor receber os turistas e dar melhores condições de vida aos moradores. Dentre recursos do Governo Federal, governo estadual e município estão sendo investidos R$ 3,2 milhões em obras de urbanização e recuperação de equipamentos.

Mas apesar de todo o desenvolvimento e fluxo turístico, Morro de São Paulo não perdeu seu charme e costumes. A ilha continua com suas belezas naturais intocadas e preserva sua história através de alguns monumentos históricos que retratam o passado, como a Fonte Grande, a Fortaleza de Tapirandu, o Farol e a Igreja Nossa Senhora da Luz.

É importante que moradores e turistas que visitam a ilha tenham a consciência de que preservar a história e toda a diversidade natural que existe em Morro de São Paulo é fundamental para que o destino continue encantando os futuros visitantes e atraindo cada vez investidores. E quanto mais investimentos Morro de São Paulo tiver, mais atrativa a ilha ficará aos olhos de turistas nacionais ou estrangeiros.

Para levar na bagagem a Morro de São Paulo

Na hora de viajar sempre pinta aquela indecisão do que devemos colocar na mala. É sempre bom ter algumas dicas sobre o lugar que estamos viajando para evitar levarmos coisas a mais, alguns supérfluos e até mesmo não cometer “gafes” durante a tão sonhada viagem de férias. Para quem está se preparando para viajar a Morro de São Paulo, iremos ajudar com algumas dicas para facilitar na hora de arrumar as malas rumo a este paraíso localizado na Costa do Dendê, Bahia.

Morro de São Paulo é uma ilha, onde a maioria das ruas é de areia e pedras e ainda por cima um lugar que possui muitas ladeiras. Além da geografia do local há de se levar em conta o clima. Em Morro de Sao Paulo faz calor praticamente todo o ano, com exceção de maio e junho que são meses chuvosos. Para caminhar nas ruas e praias de Morro de São Paulo é preciso estar confortável, usando de preferência sapatos baixos como tênis, chinelos e sandálias e ainda vestir roupas leves. Coloque na mala peças do vestuário para o verão como shorts, camisetas, vestidos, saias, bermudas e se quiser traga uma calça jeans, que sempre é bem vinda à noite. A brisa fresca do mar à noite na praia pode pedir também um casaco fino. Esqueça roupas pesadas e sapatos altos. Afinal, lembre que você está indo para uma praia, onde quando mais confortável e natural melhor.

Não esqueça de acrescentar na mala as roupas de banho (biquines e sungas) e para as mulheres as populares e famosas cangas. Outra dica que faz o maior sucesso em Morro de São Paulo são as sandálias “havaianas”. De todas as cores e estilos, estas sandálias estão em todos os lugares da ilha: desde as praias até na hora do jantar nos restaurantes de Morro de São Paulo ou nas festas das casas noturnas, turistas e moradores usam havaianas em todas as ocasiões.  Além do vestuário, outra coisa que deve ser levada em consideração para quem viaja a Morro de São Paulo é a questão dos cuidados com o sol. Aliás, recomendações comuns para quem viaja para qualquer lugar praiano, como levar chapéu ou boné, óculos de sol e usar muito protetor solar, que você encontrará com facilidade nos mercados ou farmácias da ilha.

Lembre que Morro de São Paulo é uma ilha e um lugar simples, rústico que combina com coisas básicas. Portanto, esqueça o luxo e o sofisticado, Seja modesto que você estará “chique” em Morro de São Paulo. Outra dica na hora de arrumar a bagagem é deixar o relógio de fora, pois em Morro de São Paulo o sol vai lhe indicar que horas são. Venha também “off-stress”, pois um lugar tão lindo e maravilhoso quanto Morro de São Paulo não combina nem um pouquinho de estresse! Depois destas dicas, feche sua mala e venha logo desfrutar de todas as belezas naturais que este paraíso reserva para você.

Semana de festas na Bahia

Esta semana a Bahia estará em festa com a realização de um dos maiores festivais de música do país e ainda as homenagens à rainha do mar, Iemanjá. De 02 a 05 de fevereiro será realizado na capital baiana o Festival de Verão de Salvador e dia 02 de fevereiro, também em Salvador e ainda em outras cidades da Bahia como Morro de São Paulo, é dia de homenagear Iemanjá, a protetora dos pescadores e soberana das águas.

Uma das festas populares mais tradicionais da Bahia, a Festa de Iemanjá, promete agitar Salvador e outros locais do estado, onde serão realizadas homenagens à esta divindade do candomblé. Em Salvador, a festa de Iemanjá tem como palco principal o bairro do Rio Vermelho. Desde a madrugada que antecede o dia 02, moradores e turistas começam os preparativos das comemorações que se estendem até o final do dia com música, comida típica baiana e, claro as homenagens à Iemanjá.

Em Morro de São Paulo, na Costa do Dendê, tradicionalmente todo ano também é promovida uma grande festa para a rainha das águas. As homenagens à Iemanjá em Morro de São Paulo iniciam dia 31 de janeiro e seguem até o dia do orixá, dia 2 de fevereiro, na Praça da Amendoeira, na Vila de Morro de São Paulo. No local ficará o balaio que guardará os presentes para Iemanjá e será levado ao mar dia 02. Dia 1º de fevereiro, acontece o “Xirê” ( ritual de candomblé), queima de fogos e cortejo pelas ruas de Morro de São Paulo e ainda a largada da oferenda às “iabás” (orixás femininos), na Lagoa. No grande dia, 02 de fevereiro, as comemorações iniciam às 13h com a concentração na praia, com baianas e roda de capoeira; às 14h o cortejo sai rumo ao cais na procissão marítima. A partir das 16h, na Praça Aureliano de Lima acontece apresentação musical com gastronomia regional.

Outro grande evento que promete sacudir Salvador esta semana será o Festival de Verão, que este ano a abertura coincidiu com a festa de Iemanjá. Entre 02 e 05 de fevereiro, no Parque de Exposições de Salvador se apresentarão vários artistas de diversos estilos musicais. O Festival de Verão que é marcado pela diversidade musical, este ano terá como principais atrações as revelações musicais de 2010 Maria Gadú e o grupo Restart, as bandas Jota Quest e Capital Inicial, os sertanejos Luan Santana e Jorge e Mateus, o cantor internacional Jason Mraz e outros artistas de sucesso nacionais e baianos. Ao todo serão mais de 120 atrações que se dividirão em seis palcos principais e espaços especiais como o novo, Casa do Pagode, um palco somente para apresentações de bandas de pagode. Dentre os outros palcos estão a Casa do Samba, o Palco 2011, a, Arena Universitária, a Concha Acústica Faculdade Maurício de Nassau e a Tenda Eletrônica, onde o pulsa o ritmo contagiante da música eletrônica.

Com todas estas festas e comemorações, a Bahia estará cheia de gente bonita, alegre e com alto astral. Para não ficar de fora desta, apresse-se e venha se divertir. Seja homenageando Iemanjá em Morro de São Paulo e também participando do Festival de Verão em Salvador.