Morro de São Paulo BLOG

Protestos em Valença pela falta de segurança

Valença está em fúria! A população, revoltada pela fala de segurança na cidade, desencadeou uma onda de protestos nesta última quinta-feira (24 de fevereiro). Os moradores de Valença saquearam as lojas ( a maioria de propriedade do prefeito da cidade e de seus familiares) colocaram fogo em pneus nas ruas e tentaram invadir e quebraram as portas da Câmara e da prefeitura. O motivo de tanta raiva, segundo os moradores, é a falta de segurança pública na cidade e a inexistência de médicos legistas.

A revolta teve inicio na tarde da quinta-feira após o sepultamento do jovem Marildo Teles, chamado de “Dinho”, que tinha apenas 25 anos e foi morto dentro de sua própria casa ao reagir a um assalto. Marildo era funcionário do Terminal Rodoviário de Valença e de acordo com os familiares e amigos, era um pai de família e nunca tinha dito envolvimento com criminosos. Os familiares do jovem assassinato se revoltaram, pois conforme eles, o corpo de Marildo ficou dois dias para ser liberado devido à falta de legistas. Esta demora pela liberação do corpo de Marildo, mais a revolta antiga da população pela falta de segurança na cidade foram as principais causas do tumulto de Valença, que só foi amenizado na noite do dia 24, após a chegada de um reforço policial. De acordo com a polícia não houve registros de pessoas machucadas e apenas três cidadãos foram presos acusados de furto em fragrante.

A cidade de Valença, na Bahia, está localizada a cerca de 255 quilômetros ao sul de Salvador e tem como prefeito, Ramiro Campelo de Queiroz (PR), que após o início do tumulto e a tentativa de invasão na prefeitura, deixou a cidade com medo dos protestantes. Segundo informações dos moradores, Ramiro fugiu para a capital Salvador. Ramiro, além do cargo de administrador público, possui várias lojas na cidade, entre estas estão uma concessionária de motos e algumas lojas de móveis e eletrodomésticos.

Agora é esperar para ver se o prefeito irá tomar alguma providência para conter a fúria da população e acabar com a insegurança da cidade. Há informações de que somente no mês de janeiro foram registradas 11 mortes por assassinato em Valença. Além dos freqüentes assaltos pelos quais passam os moradores. Algumas pessoas evitam sair de casa após às 20 horas com medo de ser assaltadas. Valença, que é uma cidade com um rico passado, foi sede da primeira fábrica de tecidos do país, e é porta de entrada para alguns destinos turísticos da Bahia, está agora famosa e é manchete nacional em todos os veículos de comunicação do Brasil, pela falta de segurança. É uma pena!